Após se livrar de tumor, Lula confessa ter medo da morte

[Christian Post] Depois do alívio ao saber que os exames confirmaram a eliminação do tumor na laringe, detectado em outubro do ano passado, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que tinha mais medo de perder a voz do que de morrer, apesar de manter sua fé.

 “Eu tinha mais preocupação de perder a voz do que de morrer. Se eu perdesse a voz, estaria morto. Tem gente que fala que não tem medo de morrer, mas eu tenho. Se eu souber que a morte está na China, eu vou para a Bolívia”, disse, em entrevista à Folha de S. Paulo, enquanto estava em um quarto do Hospital Sírio Libanês, onde realiza sessões complementares de fonoaudiologia.

Durante o tratamento, Lula disse que sentia intensa náusea, o que o impedia de se alimentar e o fez emagrecer cerca de 16 quilos rapidamente, além de manter uma dieta ausente de sólidos.

“É uma doença que eu acho que é a mais delicada de todas. É avassaladora. Eu vim aqui com um tumor de 3 cm e de repente estava recebendo uma Hiroshima dentro de mim”, assinalou, se referindo à bomba nuclear que atingiu a cidade de Hiroshima, Japão, na Segunda Guerra Mundial, matando 140 mil pessoas devido a sua radioatividade.

Em solidariedade, muitos brasileiros se envolveram em correntes de orações em favor do líder político.

Perguntado se acreditava em alguma coisa após a morte, ele respondeu que sim. “Eu acredito que entre a vida que a gente conhece – e a morte – há muita coisa que ainda não compreendemos. Sou um homem que acredita que existam outras coisas que determinam a passagem nossa pela Terra. Sou um homem que acredita, que tem muita fé”, afirmou.

Lula ainda disse que reza diariamente e não confirmou se procurou o médium João de Deus para realizar um “tratamento espiritual”. “Várias pessoas vieram aqui, ainda hoje há várias pessoas me procurando. E todas as que me procurarem eu vou atender, conversar, porque eu acho que isso ajuda”, disse.

Mesmo com a ausência do tumor, Lula disse que não vai mais cumprir a “alucinante agenda” que vinha exercendo. Com intensa movimentação política, ele visitou mais de 30 países entre março e outubro de 2011.

No entanto, ele afirmou que pretende continuar na articulação política, auxiliando Dilma numa provável candidatura à reeleição e também a Fernando Haddad na disputa pela prefeitura de São Paulo.

“Vou fazer menos coisas, com mais qualidade, participar das eleições de forma mais seletiva, ajudar a minha companheira Dilma de forma mais seletiva, naquilo que ela entender que eu possa ajudar”, disse. E finalizou: “vou voltar mais tranquilo. O mundo não acaba na semana que vem”, sentenciou.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s